O comércio online surgiu a partir da evolução das tecnologias digitais e envolve uma transação comercial realizada por meio da internet, com a ajuda de diferentes dispositivos, seja um computador, celular ou outros.

Em um mundo cada vez mais conectado, o e-commerce apareceu como um modelo de negócio interessante tanto para os empreendedores, quanto para os clientes, devido ao custo ser menor que uma loja física, além da facilidade de pagamento e entrega.

A modalidade de vendas online também faz parte do mundo dos cafés especiais. E para entender sobre os desafios neste setor batemos um papo com Angélica Lebante da Menu Café. Confira abaixo!

Criação do E-commerce

Antes de entrarmos no assunto de e-commerce sobre cafés, vamos conhecer um pouco sobre a história desse modelo muito popular no ambiente virtual.

O comércio eletrônico nasceu nos Estados Unidos, ainda na década de 1970, por meio do conceito de Electronic Data Interchange (EDI), com tradução em português para Intercâmbio Eletrônico de Dados.

As empresas utilizavam o EDI como um serviço para fazer os pedidos de compras aos fornecedores, além de pagamentos e entregas, com a intermediação de VANS, sigla para Value Added Network, ou Rede de Valor Agregado.

A modalidade de e-commerce como conhecemos hoje (modelo B2C) apareceu nos Estados Unidos em 1995, por meio da Amazon. Inspirado no modelo norte-americano, Jack London foi pioneiro do comércio eletrônico no Brasil com a livraria virtual BookNet.

Mais tarde, a BookNet foi vendida para a GP Investimentos que renomeou a empresa em 1999 para Submarino.com, que hoje faz parte do grupo B2W junto com gigantes como Americanas.com e ShopTime.com.

Tipos de e-commerce

Veja alguns modelos de comércio eletrônico:

  • Business-to-consumer  — Negócio para Consumidor (B2C): Interação entre empresa e cliente final.
  • Business-to-business Negócio para Negócio (B2B): Transação entre empresas, sem a presença do consumidor final.
  • Customer-to-customer  Consumidor para Consumidor (C2C): Envolve a transação comercial entre os próprios consumidores
  • Business-to-government  — Negócio para Governo (B2G): Ocorre a partir da transação entre empresa e governo.

Para conhecer mais sobre a história do e-commerce, acesse o Trabalho de Conclusão de Curso de André Luís Gnatiuc, da Fundação Getúlio Vargas (FGV) “E-commerce: Evolução e Revolução no mercado”.  

E-commerces de cafés especiais

A modalidade de comércio online se tornou uma ótima ferramenta para que consumidores pudessem ter em suas casas microlotes de cafés especiais, e até mesmo equipamentos para fazer a sua bebida, a partir de métodos de extração como V60, Chemex, AeroPress, Kalita, Koar, etc.

O acesso aos cafés especiais foi democratizado a partir do e-commerce, pois os coffee-lovers conseguem comprar o produto sem sair de casa, com facilidade de pagamento e entrega.

Vale destacar que seria muito difícil encontrar uma variedade de cafés por conta própria, pois os sites trabalham com microlotes de diferentes produtores, percorrendo as fazendas brasileiras. Por isso os e-commerces de cafés especiais surgiram como uma solução para os amantes do produto.

Menu Café

Idealizadora da Menu Café, Angélica Lebante nos conta como surgiu a ideia de criar um e-commerce de cafés. Ela comenta que começou a trabalhar com marketing em 2009 e já nessa época, sonhava em ter seu comércio eletrônico, porém ainda não sabia em que segmento.

Angélica Lebante. Crédito: Divulgação.

Anos mais tarde, a empreendedora passou a se interessar em abrir um comércio eletrônico voltado para o café, conforme explica.

 “Em 2014 nasceu o projeto Coffee Lover, um projeto de conteúdo sobre café para consumidor. Com o crescimento do projeto idealizei a abertura do e-commerce – Por acreditar que são trabalhos complementares e também uma forma de rentabilizar a ideia de ‘trabalhar com café”, diz Angélica.

Principais desafios dos e-commerces de cafés especiais

As dificuldades enfrentadas em empreender no comércio eletrônico estão atreladas a diferentes fatores, seja pela logística, suporte dentro do prazo, atendimento ao cliente, infraestrutura, dentre outros. 

As lojas virtuais também precisam apresentar segurança para o cliente. Primeiro que os seus dados, pessoais e bancários não serão divulgados, segundo que a entrega será realizada no prazo estabelecido.

O consumidor pode comprar a qualquer momento o e-commerce, porém a empresa precisa dar conta da demanda, e para isso, necessita de planejamento.

Impostos

Angélica comenta que a Menu Café possui nove meses de existência e que vai descobrindo as dificuldades da sua empresa dia após dia.

Porém, de imediato destaca que um dos maiores obstáculos são os impostos cobrados no Brasil, algo que gera muita reclamação não somente nesse segmento, mas nos demais empreendedores.

“Escolher empreender no Brasil já é desafiador. Burocracia, altos impostos podem adiar os planos. Não é tão fácil colocar uma loja no ar, com uma nova marca as pessoas podem não ter a confiança necessária para fechar a primeira compra”, ressalta. 

A Menu Café trabalha com importados, como é o caso de produtos da marca Hario, empresa japonesa conhecida principalmente pelo coador V60. E por isso, Angélica afirma que sofre com a variação do dólar, pois afeta diretamente o poder de compra.

Gestão de estoques

Os clientes podem fazer o pedido a qualquer hora do dia, entretanto a empresa precisa atender essa demanda. Para isso, necessita de uma boa gestão de estoques, sobretudo se trabalha com muitos produtos. 

Os empreendedores comércio eletrônico encontram dificuldades para mensurar a quantidade necessária daquele produto, além do que precisa ter em estoque e o que poderia ser comprado apenas após encomenda.

itens vendidos no e-commerce Menu Café

Além disso, precisam se atentar às entregas e ter um bom relacionamento com fornecedores. Nos e-commerces de cafés especiais não poderia ser diferente. Angélica fala sobre o desafio da gestão de estoques na Menu Café.

“Ainda hoje estamos trabalhando para otimizar nosso mix de produtos, entendendo o que é recorrente, estoque mínimo, etc”, afirma. 

Frete

O frete tem impacto direto na decisão de compra, sendo um dos grandes desafios do comércio eletrônico. A partir dele é que o consumidor decidirá pela aquisição de do produto ou não.

Muitos consumidores acabam abandonando o carrinho devido ao alto valor cobrado pelo frete, que em alguns casos supera até mesmo o preço do produto. Outros problemas estão ligados a atrasos e extravios.


LEIA TAMBÉM: O CRESCIMENTO DOS CLUBES DE ASSINATURAS DE CAFÉS ESPECIAIS NO BRASIL

Uma das soluções criadas por alguns empresários das lojas virtuais é colocar o campo de cálculo de frete e prazo de entrega ainda página inicial do produto, para que o cliente não se surpreenda no final e desista da compra.

Angélica Lebante reconhece que o frete também é um desafio enfrentado no e-commerce de cafés especiais. “Frete é sempre uma questão delicada, aumenta o custo para o cliente consideravelmente e é um dos principais motivos de “abandono de carrinho”, pontua.

Cafés especiais x Cafés tradicionais

Questionada sobre como fazer consumidores brasileiros de cafés tradicionais passarem a comprar cafés especiais e variedade de métodos de extração como AeroPress, V60 e Chemex por meio da internet, Angélica diz:

“Acredito que essa transição ou interesse em novos métodos de preparo acontece naturalmente conforme a exigência do consumidor vai aumentando”, analisa.

A partir disso, a idealizadora do Menu Café fala sobre como faz para conquistar esse público. “Seguimos com um trabalho forte em criação de conteúdo para “educar” e apresentar ao consumidor as possibilidades e como pode ser prazeroso descobrir a melhor forma de preparar o café que você tem”, discorre. 

Perspectivas

A internet mudou o jeito de como as pessoas se relacionam e compram. O comércio eletrônico já é uma realidade, principalmente para pessoas da Geração Y (nascidos entre 1980 e 1995), que estão acostumadas a comprar no ambiente virtual.

Vale destacar que a partir do novo coronavírus até mesmo quem não estava tão habituado a comprar pela internet, passou a adquirir produtos online, devido às medidas de isolamento social.

A mudança também chegou ao universo do café, já que as pessoas deixaram de ir às cafeterias por conta da Covid-19. “Nesses últimos meses muitas cafeterias e torrefações passaram a abrir a própria loja virtual. O que aumenta a concorrência, mas por outro lado o e-commerce cada vez mais vai ser considerado como uma opção de compra para o consumidor. O e-commerce é um facilitador ao adquirir cafés de diferentes produtores e produtos exclusivos”, destaca Angélica.

Parcerias

Atualmente a Menu Café realiza parcerias com outras empresas do setor como uma maneira de atrair clientes, mas não somente isso. Angelica afirma que o trabalho em conjunto também envolve um alinhamento de propósito.

“O lançamento do Tinoco Coffee (marca do Matheus Tinoco), foi um sucesso e uma confirmação que juntar forças é uma forma de chegar mais longe. Vamos trabalhar juntos para lançar a segunda edição da marca”.

Recentemente a empresa também lançou a Curadoria COFFEA, projeto em parceria com a jornalista Kelly Stein, idealizadora do COFFEA (primeiro podcast de café do Brasil). A parceria traz produtos exclusivos como poster, livros, meias, camisetas, etc.

Conclusão

Resumindo, neste artigo apresentamos alguns desafios dos e-commerces de cafés especiais comentados pela entrevistada Angélica Lebante, como gestão de estoques e impostos. 

Mas o abandono de carrinho  também está ligado a vários motivos, seja pelo frete, cadastro longo, prazo de entrega alto, poucas formas de pagamento, dentre outros fatores. Cada empresa apresenta uma particularidade e necessita criar um planejamento para diminuir esses gargalos. 

Apesar de ser desafiador, o e-commerce está abrindo espaço para o mercado dos cafés especiais crescer em uma nova frente, tornando essa bebida que tanto amamos, acessível a um público maior.

Gostou de ler sobre Os desafios do e-commerce nos cafés especiais? Não deixe de seguir a Barista Wave no Instagram, LinkedIn e Facebook.