Uma das primeiras dúvidas que o empreendedor tem quando pensa em abrir uma cafeteria, é sobre como escolher a máquina de espresso  ideal para seu negócio

Qual seria o número ideal de grupos de extração? Qual o design mais combina com o branding pensado para a cafeteria? As máquinas de espresso são todas iguais ?  Por que umas são mais caras que outras? Comprar ou alugar o equipamento? O que muda na prática em relação ao número de caldeiras internas?

Para ajudar a responder a algumas dessas dúvidas, nós conversamos com o Cristiano Zara, importador exclusivo das máquinas italianas da SanRemo no Brasil.

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DAS MÁQUINAS DE ESPRESSO

A medida que a tecnologia e inovação foi alavancada pelo desenvolvimento do mercado de cafés especiais no mundo, os fabricantes foram criando e adicionando novos recursos e tecnologias para melhorar a qualidade do café e o trabalho do barista, comenta Cristiano.

Cristiano afirma que “muitas vezes escolher o equipamento certo para a cafeteria pode ser uma tarefa confusa, principalmente para quem ainda é novo nesse nicho de mercado.”

Barista vaporizando leite numa SanRemo ZOE. Crédito: Daryan Shamkhali no Unsplash

É importante estar atento para a relação custo x benefício na hora de escolher a máquina e isso está diretamente conectado com o cliente e com o público alvo que o empresário quer atingir.

A COMPLEXIDADE DA MÁQUINA

Uma máquina de café espresso é um equipamento relativamente complexo, comenta Cristiano, e o elemento que mais causa confusão na cabeça do empreendedor é  em relação a caldeira inteira.

As máquinas de café espresso originais, ou os modelos modernos mais simples, utilizam apenas uma caldeira para aquecer e manter a água a uma determinada temperatura antes de ser bombeada para a cabeça do grupo.

Porém, a partir das décadas de 1960 e 1970, foram introduzidos sistemas de duas ou mais caldeiras para permitir que as máquinas de espresso aqueçam a água para os diferentes elementos necessários: para o bico vaporizador ou para a cabeça dos grupos de extração.

No caso das máquinas da SanRemo, todas elas contam com sistemas de caldeiras independentes para a extração do café.

Ao longo dos anos, novos recursos foram adicionados às caldeiras para melhorar o desempenho e consistência. Como por exemplo o PID Controller, que é um sistema que mede e regula continuamente a temperatura da caldeira, para que ela mantenha exatamente o que é necessário para fazer a xícara de café perfeita.

CALDEIRAS SIMPLES, DUPLAS OU MÚLTIPLAS

Embora a tecnologia e produtividade de uma máquina com várias caldeiras seja nítida, as caldeiras simples ainda têm o seu lugar no mercado, afirma Cristiano.

Muitas máquinas de café domésticas e comerciais apresentam uma única caldeira que é usada para aquecer a água até a temperatura definida para a extração do café e também para produzir o vapor durante a vaporização do leite.

É importante observar que nas máquinas de caldeira simples, há uma chance maior de flutuações na temperatura, especialmente nos horários de pico, quando é necessário fazer várias extrações e vaporizar leite ao mesmo tempo. Também não é possível  definir a pressão de extração independente da pressão do vapor.


CERTIFIQUE-SE PELO BARISTA WAVE ACADEMY: CLIQUE E CONHEÇA


Nas máquinas de caldeira dupla, a água fria da conexão da rede hidráulica é bombeada para duas caldeiras, geralmente uma dedicada ao vapor e para água da chaleira e outra para uma caldeira dedicada para atender a todas as cabeças de grupo.  Normalmente, a temperatura de cada caldeira pode ser ajustada independentemente.

As máquinas de caldeiras múltiplas operam de maneira semelhante, porém com caldeiras adicionais, uma para cada cabeça de grupo. No caso da máquina SanRemo CaféRacer, a top de linha da empresa italiana, existem mini caldeiras dedicadas para cada grupo de extração, além de uma caldeira exclusiva para a produção de vapor e outra dedicada a enviar a água para as mini-caldeiras. Esse sistema permite a máxima precisão e estabilidade de temperatura.

SanRemo Café Racer Customizada

Além disso, essa máquina de última geração conta com um sistema smart energy que economiza até 30% de energia em comparação a outras máquinas multi-caldeiras.

QUAL TIPO DE MÁQUINA ESCOLHER?

Uma dúvida muito comum para os empreendedores que estão iniciando nesse nicho de mercado da hospitalidade, é em relação ao tipo de equipamento que deve ser escolhido.

A decisão mais acertada vai depender do objetivo do projeto, mas para facilitar o entendimento do leitor, vamos comparar uma máquina de espresso com um carro. Assim como em um veículo, você deverá levar em consideração a utilidade e o propósito.

Por exemplo, se você precisa de um carro, para locomoção diária e para percorrer caminhos curtos, sem pegar longas estrada cotidianamente, é razoável que possa escolher um carro confortável, mas sem muita potência no motor, visando economizar combustível. Por outro lado, se você precisa de um veículo para carregar muito peso e para transporte de longas distâncias, é bem razoável que precise utilizar um veículo mais espaçoso e potente.

SanRemo ZOE

A processo de escolha em relação a máquina de espresso é bem parecido. Se a sua cafeteria é pequena com um fluxo de clientes baixo ou médio, é possível que uma máquina de 2 grupos de extração seja suficiente.

Em contrapartida, se a cafeteria tem médio-alto fluxo, com horários de pico intensos, é preferível que o empresário escolha por máquinas mais potentes, com 3 grupos de extração e multi-caldeiras.

Em resumo, tudo vai depender dos objetivos principais definidos pelo empreendedor. Obviamente que o fluxo de clientes pode aumentar com o tempo, fazendo com o que o empreendedor precise providenciar alterações no tipo de equipamento escolhido inicialmente.

COMPRAR OU ALUGAR?

Em relação a opção de locação ou compra da máquina de espresso, Cristiano afirma, que muitos clientes ficam em dúvida.

A locação do equipamento pode parecer uma opção mais segura em um primeiro momento, diz Cristiano, mas é importante lembrar que, caso o cliente opte pela locação, esse será um custo fixo da empresa.  Já quando o cliente compra do equipamento, ele está adquirindo um bem que entrará para a composição dos bens e ativos da empresa.

Em alguns casos vale a pena buscar financiamento bancário para a compra do equipamento, ainda mais com a tendência de baixa nos juros no cenário econômico atual.


Veja também: AJUSTE DO MOINHO SEM DESPERDÍCIOS


Cristiano também nos conta que, em casos específicos e visando auxiliar o empresário nessa escolha, ele oferece, para algumas máquinas, a oportunidade do cliente alugar o equipamento e, depois de 12 meses, caso opte pela compra, utilizar parte dos valores pagos na locação como entrada para a compra final.

Essa alternativa tem auxiliado muitos empresários a retirar um custo fixo da loja e aumentar o patrimônio físico e consequente valorização do empreendimento.

No final da nossa conversa, Cristiano diz que a comparação com carros é realmente muito pertinente. “Ninguém quer um carro velho, porque sabe que muitas vezes dá mais trabalho e tem maior custo de manutenção. Por isso, continua Cristiano, aqui na SanRemo nos preocupamos em constantemente renovar a nossa frota de máquinas e manter a manutenção e suporte em dia com os nossos clientes, através dos nossos representante em todas as capitais do Brasil”.

Independentemente do tipo de máquina que o empreender irá escolher para a sua cafeteria, é sempre muito importante fazer uma análise de custo, sem deixar de observar os benefícios da escolha. Busque marcas que já são reconhecidas no mercado nacional e fique atento a qualidade do suporte oferecido na sua região.

Afinal, o espresso é, na maioria das cafeterias, o tipo de extração mais pedido e adorado para quem bebe café fora de casa.