fbpx
Banner Promocional - Aprenda sobre café e empreendedorismo gratuitamente
Aprenda sobre café e empreendedorismo gratuitamente
PARA CAFETERIAS

CAFETERIA MÓVEL: CONHEÇA OS PRÓS E CONTRAS

Entrevista com NaKombi Cafeteria & Café na Casca
Pinterest LinkedIn Tumblr

A cafeteria móvel pode parecer uma ótima opção para iniciar o sonho de ter uma cafeteria. Conheça os prós e os contras ao buscar esse nicho de atuação.

Muitos empreendedores vêem nas cafeterias móveis a possibilidade de empreender com menores investimentos iniciais e com menores riscos se comparado com as cafeterias de ponto fixo.

Mas nem sempre as coisas funcionam assim. É preciso ter muito planejamento e também desenvolver a consciência de que as cafeterias móveis são modelos de negócios com peculiaridades e desafios inerentes ao modelo.

Para contar um pouco sobre os desafios de empreender nessa modalidade móvel de cafeteria, conversamos com o André  Muller, do NAKOMBI, proprietário de uma Kombi de Cafés em Florianópolis-SC e com Norberto Tcharduk, proprietário do CAFÉ NA CASCA, um Bike Coffee em Caxias do Sul-RS, com foco em eventos privados.

Vamos ao que descobrimos!

OS DESAFIOS DE ESTAR NA RUA

Não são poucas as adversidades para operar uma cafeteria móvel. Norberto diz que  a “otimização de espaço para conseguir levar todos os insumos e mantê-los organizados” é um dos principais desafios enfrentados na gestão diária nesse tipo de negócio.

Norberto atuando em evento privado na Bike Coffee. Crédito: Café na Casca

André Muller também conta que o clima impacta diretamente no faturamento de quem está na rua.

“Estando na rua você está suscetível ao calor, frio, chuva, vento… não necessariamente nessa mesma ordem. Dependendo da estrutura que o truck é montado, uma chuva  ou vento mais forte pode inviabilizar a abertura ou a operação do dia inteiro,  impactando diretamente no fluxo de caixa mensal”.

Clientes no NaKombi Cafeteria. Crédito: NaKombi Café

Norberto nos conta também que “foi o gosto pelo café e a possibilidade de proporcionar as pessoas uma forma diferente de apreciá-lo”, que despertou interesse nesse tipo de empreendimento. Já André admitiu que, no início, a febre do surgimento dos foodtrucks no Brasil,  influenciou diretamente na sua tomada de decisão.

MENOS COMPLEXO, MAS NEM TANTO

A menor complexidade estrutural para esse tipo de negócio é certamente um ponto de estímulo e incentivo. André diz que em três meses montou a marca e toda a estrutura pra operar na Kombi e logo em seguida já participou do primeiro evento com a sua cafeteria sobre rodas.

André Muller em um dia tranquilo de trabalho. Crédito: NaKombi Café

Muitos podem pensar que operar em uma cafeteria móvel significa não pagar aluguel. Claro que a realidade do móvel é diferente de uma cafeteria fixa, pois é possível atuar em vários pontos. Mas nada é tão simples quanto possa parecer.

Muitas prefeituras não regulamentaram a presença de foodtrucks nas ruas, não existindo muitas vezes nenhuma área destinada para esse tipo de empreendimento. O que já é realidade hoje é a busca de parcerias com empresas ou lojas na área de estacionamentos ou áreas privadas,  mas as negociações não são fáceis.

Norberto complementa dizendo que eventos corporativos, casamentos, formaturas e aniversários são mais simples de serem negociados. Normalmente, elabora-se uma carta de café e envia-se um orçamento pelo número de pessoas.

Norberto oferece um café na casquinha. Crédito: Café na Casca

Em eventos abertos você pode pagar por metro quadrado e por ponto de água e luz. Muitas vezes os valores são altos, diminuindo consideravelmente a margem de lucro final.

Outra opção pode ser a busca por um foodpark. Alguns funcionam o ano inteiro e outros funcionam somente no verão ou em períodos de alta temporada. Porém muitas vezes os valores pagos podem ser iguais ou ligeiramente abaixo em relação  a um ponto de cafeteria fixa.

André comenta sobre a importância da serenidade ao iniciar as negociações com o proprietário do local. “Toda negociação precisa ser com base em números, evitando assim um aumento de custo fixo que pode chegar a inviabilizar o negócio ainda no curto prazo.”


VOCÊ PODE SE INTERESSAR EM LER: COMO ESCOLHER A MÁQUINA DE ESPRESSO IDEAL


SOBRE O ALVARÁ DE FUNCIONAMENTO MUNICIPAL

As prefeituras são os órgãos responsáveis pela liberação da licença de funcionamento e cada uma tem suas próprias regras e legislações que podem incentivar ou até mesmo restringir esse tipo de negócio.

Norberto servindo um Latte na casquinha. Crédito: Café na Casca

Para o Café na Casca em Caxias do Sul-RS, Norbeto nos conta que abriu um CNPJ como MEI e solicitou alvará de localização com seu endereço residencial.  A vigilância sanitária solicitou também um curso de “Boas Práticas nos Serviços de Alimentação” e exame médico atestando bom estado de saúde. A sua licença de funcionamento vale apenas para locais privados, pois a prefeitura não libera alvará para trabalhar na rua.

André, do Nakombi Cafeteria, em Florinópolis-SC , comenta que os itens inspecionados pela vigilância em um foodtruck são praticamente iguais aos de uma cafeteria fixa. Além disso, “existem algumas taxas diárias cobradas pela prefeitura em qualquer tipo de evento que participamos, sendo em média R$ 52,00 para área privada e R$ 86,00 para área pública.

NaKombi Café atuando em centros empresáriais. Crédito: NaKombi Café

PLANEJAMENTO E NÚMEROS

Antes de pensar em iniciar as operações, planeje cada etapa e busque negociar com os parceiros antes mesmo de investir na estrutura física. Muitas vezes a ansiedade em fazer dar certo, pode acabar fazendo o empresário assumir acordos não vantajosos, gerando frustração. Em casos mais graves pode levar o empreendedor a desistir do negócio.

Inovação em servir café na casca. Crédito: Café na Casca

É importante saber que esse tipo de negócio pode demorar algum tempo para gerar as receitas esperadas. Por isso trabalhe com dois cenários, um positivo e outro negativo. Reserve capital de giro ou até mesmo inicie as operações como um negócio paralelo.

Café na Prensa Francesa servido com bolo. Crédito: NaKombi Café

É possível que nos primeiros passos ele não seja a principal fonte de renda.  Aos poucos, vá reconhecendo o mercado e as diferentes formas de atuação que sejam vantajosas e lucrativas.

Passo a passo é possível criar um negócio de sucesso sobre quatro rodas.