Respirar o ar das montanhas melhora o funcionamento do sistema respiratório e renova o organismo das pessoas. Essa ideia permeia o pensamento humano por séculos, sendo inclusive, compartilhado por profissionais de medicina.

E você, já se questionou o que há de diferente nos ambientes muito acima do nível do mar? Pesquisadores já.

Estudiosos do funcionamento das plantas, dentre elas a do café, observam há muito tempo que as lavouras em maiores altitudes, produzem plantas e frutos com qualidade superior.

Mas essa afirmativa tem realmente embasamento?

Seria mesmo a altitude do local onde se produz café um determinante, ou pelo menos um fator relevante, para a qualidade da bebida? Investigamos o assunto e, vamos desvendar essas questões para você nas próximas linhas.

Café é um fruto.

Antes de prosseguirmos algumas ponderações são necessárias para situar a nossa conversa. É provável que você saiba que o café é um fruto, mas não custa nada lembrar. 

Colheita de frutos maduros na planta de café.

O café é o fruto de uma  planta originária do continente africano e que se adaptou muito bem algumas regiões do Brasil. Romeu Gair, mestre em agronomia pela Universidade Estadual de Londrina, salienta em seu artigo que “o cafeeiro da espécie C. arabica L. tem o seu centro de origem na Etiópia, é uma planta tropical de altitude, adaptada a climas úmidos com temperaturas amenas”. 

Planta diferente, Habitat diferente.

Habitat é uma área ecológica ou ambiental que é habitada por uma determinada espécie de animal, planta ou outro organismo. Essa informação tem relevância, por que indica que uma mesma planta, de variedades distintas, podem ter habitats naturais diferentes e, consequentemente, adaptam-se com mais ou menos facilidade em condições ambientais adversas.

Fazenda da café

Devido as particularidades de cada planta algumas regiões do Brasil limitam a sua plena adaptação, sendo a altitude um fator que vamos adentrar um pouco mais nesse texto.

Fatores como disponibilidade de água, temperatura e exposição ao sol também são determinantes para que o fruto cresça e desenvolva todo seu potencial de atributos sensoriais, impactando diretamente no sabor final da bebida.

Nunca é SÓ a altitude

Talvez você saiba, talvez não, mas as duas espécies com maior importância comercial são Coffea arábica e Coffea Canephora (Robusta).

Plantio de café em elevadas altitudes

Uma das características conhecidas do Coffea Canephora é a sua grande resistência a pragas e doenças, sendo por isso atrativa a alguns cafeicultores, por exigir menos cuidado quando comparada com a Coffea arábica. O Coffea arábica, apesar de requerer maior atenção no plantio e manejo, comumente apresenta atributos sensoriais mais refinados e complexos, atraindo maior público consumidor.


LEIA TAMBÉM: CAFÉ ROBUSTA MAIS SENSÍVEL ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO QUE SE PENSAVA


É muito importante entender que são inúmeros os fatores a se considerar antes de afirmar que apenas um aspecto isoladamente (altitude) determina a qualidade final da bebida café.  

Outros fatores como os processos de colheita e beneficiamento do fruto são igualmente determinantes e podem preservar ou destruir completamente um grão de alto potencial sensorial.

Nesse sentido, quando falamos em altitude como determinante de qualidade do café, devemos considerar não apenas a quantos metros em relação ao nível do mar se encontra a lavoura, mas sim, observar, como o fator altitude age no desenvolvimento vegetativo do cafeeiro.

Agora já podemos seguir e relacionar COMO a altitude pode ser fator determinante da qualidade da produção de café. 

Os ciclos da planta do café.

A natureza em sua maestria, orquestra a vida em momentos que tornam possível o desenvolvimento harmonioso de seus seres.

Nascimento da planta de café nos primeiros estágios

A planta de café, por exemplo, divide sua existência em dois ciclos bem definidos, o quais denominamos “ciclos fenológicos” que são os ciclos preparativos (ou vegetativos) e os ciclos construtivos (ou reprodutivos).

O ciclo preparativo é aquele que se caracteriza pela fase em que a planta dedica toda sua energia e nutrientes para o desenvolvimento de sua estrutura interna, invisível.

Em seguida, emerge a fase de desenvolvimento externo (construtiva), visível, onde ocorre o aparecimento e crescimento do ramo principal (ortotrópicos), dos ramos laterais (plagiotrópicos), assim como das folhas, flores e frutos da planta.

Importante salientar, que cada ciclo ocorre impulsionado pela condição ambiental do momento. O ciclo preparativo ocorre melhor em tempos secos, enquanto a o ciclo construtivo ocorre melhor em períodos chuvosos

O clima e a altitude

A partir do entendimento de que há uma relação notável entre o clima e o desenvolvimento das plantas, é possível construir uma segura reflexão de que o meio externo e as climatológicas afetam diretamente o desenvolvimento da planta café.

Com essa convicção, podemos evoluir ainda mais sobre a importância que a altitude pode ter sobre o meio em que a planta se encontra e como afeta diretamente o sucesso da sua produção.

Secagem dos frutos do café no terreiro

Bruno Galvêas Laviola, chefe de pesquisa e desenvolvimento na Embrapa Agroenergia, informa em seu artigo que “a influência da altitude no ciclo reprodutivo do cafeeiro está relacionada, principalmente, às temperaturas mais amenas em maiores altitudes”. 

No artigo o autor analisa o acúmulo de nutrientes em frutos de cafeeiro em quatro diferentes altitudes de cultivo, concluindo que  “o ciclo reprodutivo do cafeeiro foi maior com o aumento da altitude”.

Nesse sentido podemos observar que sim, há influência da altitude no desenvolvimento de uma planta de café.

Altitude e potencial de qualidade do café

Contudo, o desenvolvimento vegetativo do cafeeiro, representa  um fator relevante para “potencialidade” que se pode obter de um fruto, onde as aspas vêm nos lembrar que a as condições podem revelar um potencial e não criá-lo. 

Veja o que o autor nos diz sobre esta discussão:

“O consumo de nutrientes pelos frutos, assim como o enchimento de grãos, é mais crítico em condições de menor altitude, já que a planta necessita completar esses processos em menor espaço de tempo. Sob menores temperaturas, a velocidade das reações enzimáticas é reduzida e, conseqüentemente, as taxas fotossintéticas e respiratórias também são restringidas; […] além de influenciar os processos de absorção, a temperatura também pode alterar a taxa de transporte de nutrientes, assim como a partição de fotoassimilados no floema”.

E conclui:

A altitude teve influência na extensão do ciclo do cafeeiro, bem como no acúmulo de nutrientes como Cálcio, Magnésio e Enxofre nos frutos” 

Este pesquisador e sua equipe, nos alimentam de dados para entender que a temperatura é fortemente influenciada pela altitude e apresenta-se como um fator diretamente relacionado ao desenvolvimento de frutos com maior potencial para produção de uma bebida de qualidade. (Leia o trabalho na íntegra pelo link).

O autor ainda contribui ao afirmar que a influência de fatores como a composição química dos grãos, determinada por fatores genéticos ambientais e culturais, os métodos de colheita, processamento e armazenamento, são importantes por afetarem diretamente a qualidade da bebida do café”.

Conclusão

Evoluindo em nosso conhecimento, podemos agora seguramente afirmar que, os fatores relacionados e influenciados pela altitude, são determinantes do desenvolvimento da planta e frutos do café e tem relação com a qualidade final do produto que pode culminar em uma bebida de atributos superiores.  

Com base nessa informação, ao escolhermos um café para nós, estamos munidos agora, de informações que nos habilitam para decidir de forma mais segura e que nos lançam ainda mais preparados nos estudos das características que um bom café carrega em sua história.