fbpx
CARREIRA

A PROFISSÃO BARISTA NO BRASIL

Pinterest LinkedIn Tumblr

A profissão barista foi reconhecida no Brasil e inscrita no CBO (Classificação Brasileira de Ocupações) em 2013 sob o registro 5134-40.

O Dia do Barista no Brasil é comemorado, desde 2007 , no mesmo dia em que se comemora o Dia Nacional do Café: 24 de maio.

De acordo com pesquisa realizada no site salario.com.br, que utiliza dados oficiais do Ministério do Trabalho, a média salarial do Barista no Brasil é de R$ 1.286,00, com variações de acordo com a cidade/região.

A cidade pesquisada com a maior média salarial para os Profissionais Baristas foi Florianópolis-SC, com média salarial de R$ 1.433,00.

A cidade com mais ocorrências de contratações e por consequência com mais vagas de emprego para Barista é São Paulo-SP.

O perfil profissional mais recorrente do Barista é o de um trabalhador jovem, com idade em torno de 22 anos e Ensino Médio completo, atuando majoritariamente em micro empresas do segmento.

A profissão em si também é muito nova, mas vem passando por transformações que exigem especialização a nível gerencial e criação de plano de carreira, não só nas cafeterias, como também em rede de hotéis e restaurantes.

HORECA – HOTÉIS, RESTAURANTES E CAFETERIAS

O termo HORECA é muito utilizado no setor de foodservice para designar as atividades econômicas relativas aos hotéis, restaurantes e cafeterias.

A média salarial nacional de um gerente de restaurante, por exemplo, é de R$ 2.222,00. Dessa forma a criação de plano de carreira nas empresas do nicho HORECA é muito importante para o desenvolvimento do setor.

Infelizmente a atuação do profissional barista no Brasil vem se limitando somente no último componente do HORECA (Cafeterias), ainda com baixo envolvimento em hotéis (HO) e restaurantes (RE).

A questão salarial do barista é tema recorrente entre os profissionais atuantes. Muitas vezes, em razão dos baixos salários pagos, a única saída para muitos baristas é abrir o próprio negócio.

Como abrir uma cafeteria exige alto investimento inicial, as consultoria e treinamentos tem se mostrado uma excelente alternativa para melhores rendimentos e aperfeiçoamento profissional.

Por outro lado também vemos excelentes profissionais migrando para outras áreas por não conseguirem o sustento satisfatório.

Importante frisar que a questão salarial não é exclusiva do barista. É uma questão discutida em todos os nichos da hospitalidade e do turismo.

Esperamos que o desenvolvimento do Mercado de Cafés Especiais no Brasil gere nos próximos anos, melhorias significativas na faixa salarial dos profissionais envolvidos nessa última etapa da cadeia produtiva.

A profissão exige profundo conhecimento e atuação cotidiana como porta voz da cadeia produtiva.

É preciso que haja melhores cafés em hotéis, restaurantes e, é claro, nas cafeterias.